Traduzir esta página

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

MORENA TRIGUEIRA


Morena trigueira, olhar lânguido, lábios mesocarpos, nariz cabal que adorna matreira face.

Cabelos betuminosos que esquadrinham formosa silhueta curvilínea, sensualidade patente e paixão ausente.

Do alto desse 01 metro e sei lá quantos centímetros, o que tem te impedido de encontrar alguém tão especial quanto você?

Todos os seus predicados estão no dicionário, mas um homem à sua altura só será encontrado ao acaso. Destinos que se cruzarão, um dia, como que predestinados: cara e coroa; côncavo e convexo; capa e contracapa:

Maktub!

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

SOMEONE LIKE YOU - Alguém muito especial


Alguns tipos de mulheres são especiais, porque elas preenchem os espaços que a vida não nos preparou para deixar vazios!

Provavelmente alguém preencheu algumas lacunas em sua vida este ano! Eu quero acreditar que qualquer pessoa que tenha feito isso era importante e necessária!

Você não pode modificar o que aconteceu, mas é provável que você tenha aceitado fatos sem discutir a felicidade. Mas acima de tudo isso, eu tenho que te dizer: Você deve acreditar que ele ou ela te fez feliz! Ou te faria, se você quisesse sê-lo.

Não havia ninguém especial dentro do seu peito quando apareceu alguém pra iluminar seu caminho! Casais verdadeiramente enamorados têm caminhos de luz. Mas você é muito especial, muito singular, muito única. E não há coração que não possa ser preenchido.

Obrigado por permitir-me sentir especial durante este ano. Obrigado me por dar de volta esse sentimento especial. Hoje me sinto tão amado! Estou me sentindo tão plural, tão nós. Se me desafiares a ser melhor do que isso no próximo ano, eu serei.

Você conhece apenas a parte de mim que você precisa para ser feliz. Mas eu te desafio a conhecer a outra parte de mim, que te traz felicidade sem trocas.

Como um amigo de verdade! A outra metade do seu inteiro. A parte que te precisa pra também ser completo.
-------------------------------------------

Certain types of women are special, because they fill the spaces that life has not prepared us to leave empty!

Probably someone has filled some gaps in your life this year! I want to believe that anyone who has done it was important and necessary!

You can`t change what happened, but it is likely that you have accepted facts without discussing happiness. But above all this, I have to tell you: You must believe that he or she made you happy! Or would, if you wanted to be.

There was no one particular inside your heart when someone came to light your way! Truly enamored couples have light paths. But you are very special, very unique, very unique. And there is no heart that can`t be filled.

Thanks for letting me feel special this year. Thank you for giving me back that special feeling. Today I feel so loved! I'm feeling so plural as us. If you challenge me to be better than that next year, I`ll be.

You know only the part of me that you need to be happy. But I challenge you to know the other part of me, what brings you happiness without trade.
As a true friend! The other half of its whole. The part that you need to also be full.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

CRÔNICAS DA VIDA REAL: O GALO CONTINENTAL



O curso da história finalmente parecia ter mudado. Anos e anos de espera, de devoção, de acompanhamento fervoroso pareciam ter sido finalmente premiados. O GALO chegava às 4as de final da COPA LIBERTADORES em condições nunca antes tão favoráveis: (a) melhor campanha na fase de grupos; (b) Melhor ataque; (c) Defesa menos vazada; (d) D) Duas vitórias convincentes sobre o "papão" São Paulo nas oitavas.

Time confiante, bem armado, veloz, matador. Passar pelas 4as de final parecia uma missão tranquila. PARECIA!

Veio o TIJUANA, time aguerrido e bem disposto que na partida de ida poderia ter liquidado a fatura, com um placar elástico que felizmente não ocorreu no primeiro tempo, diante de um Atlético visivelmente exaurido pelas 20 horas de viagem até o estádio de Caliente (México). No 2o tempo o time se encontrou e, alheio as adversidades de um campo de grama sintética,conseguimos um histórico empate em 2x2. Primeiro milagre de Cuca, colocando o reserva Luan, que arrancou o empate com puro oportunismo. O jogo de volta, no horto seria mamata. SERIA!?

O TIJUANA saiu na frente no 2o jogo, com uma pintura à là DIEGO RIVERA(1). E apesar de o GALO arrancar o empate, não conseguiu superar a forte e competente marcação do adversário. A torcida havia vestido a máscara do pânico, mas o pânico se viu durante poucos minutos nos rostos do todos os atleticanos: Pênalti para o TIJUANA, aos 46 do 2o tempo. Bastava converter e o GALO daria adeus a seu sonho. Mas veio a grande surpresa e o primeiro milagre de SÃO VICTOR. DEFENSA impressionante com os pés.

Veio a semifinal contra um aparente frágil NEWELL OLD BOYS. APARENTE?

Time que eliminou o papão BOCA JUNIORES nas 4as de final e campeão do 1o turno do campeonato argentino, armou-se muito bem em Rosário (Argentina) e arrancou na frente com um 2x0, com direito a um GOLAÇO de falta de Scocco. Também uma pintura, dessa vez a lá PRILIDIANO PUEYRREDÓN(2). O jogo de volta, no horto, poderia complicar. COMPLICAR!?!?

O time entrou bem armado e de cara abriu o placar. Mas os minutos avançavam impávidos e o 2o GOL insistia em não sair. Foi a vez de Cuca operar seu 2o milagre, mexendo de forma ousada no time, para que desa vez pudesse brilhar o reserva Guilherme, com um GOLAÇO de puro oportunismo e pontaria certeira.

Vieram os pênaltis e o time que batera o BOCA com incríveis 10 x 09 (13 cobranças de cada) sucumbiu ante o 2o milagre de São Victor, defendendo a 5a cobrança argentina, pelo carrasco Maxi Rodriguez.

Chegamos à final contra outro "papa títulos": O OLÍMPIA do Paraguai. O jogo de ida, no estádio Defensores Del Chaco, em Assunção, foi perdido por novo e sofrido 2 x 0, com direito a gol de falta de Pittoni aos 48 do segundo tempo. Uma pintura tosca, porém eficiente, a lá JULIÁN DE LA HERRERÍA(3). O jogo de volta seria uma batalha épica, como o foi a própria Guerra do Paraguai(4).

No Mineirão, com a Gols de Jô e Leonardo Silva, garantimos o direito à decisão nos pênaltis. Pré-destinado a operar seu 3º milagre, Victor defendeu a primeira cobrança e a 5ª e última cobrança do Olímpia carimbou a trave, dispensando com humildade e carinho a derradeira cobrança do GALO, por Ronaldinho.

Um público presente de 56.557 torcedores e a maior bilheteria da história do futebol brasileiro (R$ 14.176.146,00), além de ter rendido à Rede Globo Minas 41 pontos de audiência e 69% de participação na grade televisiva do horário do jogo, números superiores aos eventos esportivos do UFC. Milhares de atleticanos ansiosos, crentes e merecedores de um título histórico grandioso. Até 03 gerações de famílias se acotovelando nas arquibancadas para, enfim, ter o direito de bater no peito e soltar o grito há décadas represado na garganta e no coração:


É CAMPEÃO DOS CAMPEÕES
(NÓS SEMPRE ACREDITAREMOS).





E, assim, chegamos ao mundial de clubes, com a humildade de quem quer vencer mais.
  1. Diego Rivera foi um dos maiores pintores Mexicanos, nascido em Guanajuato em 8 de dezembro de 1886 e falecido em San Ángel, Cidade do México, em 24 de novembro de 1957. Nome completo: Diego María de la Concepción Juan Nepomuceno Estanislao de la Rivera y Barrientos Acosta y Rodríguez.
  2. Prilidiano Pueyrredón Era arquiteto e engenheiro e foi um dos maiores pintores Argentinos, nascido em 24 de janeiro de 1823 e falecido em 3 de novembro de 1870. Conhecido pela sua sensibilidade costumbrista e preferência pelos temas do cotidiano.
  3. Julián de la Herrería foi um dos maiores pintores Paraguaios, nascido em Asunción, Paraguay, em 3 de mayo de 1888 e falecido em Valencia 11 de julio de 1937. Nome completo: Andrés Campos Cervera.
  4. Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul. Ela foi travada entre o Paraguai e a Tríplice Aliança, composta pelo Império do Brasil, pela Argentina mitrista e pelo Uruguai florista. A guerra estendeu-se de dezembro de 1864 a março de 1870.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Meu Adeus a Nilton Brum (e outros queridos)



Um grande homem se vai
Um farto exemplo de pai
Um amigo e também herói
Saudade que em mim já dói

Foi pouco o que convivi
Mas muito o que aprendi
Um vasto sorriso no rosto
Parceiro que me deu gosto

Atleticano diplomado
Capitalizou a paixão
Os filhos, já escolados
Do GALO não abrem mão

Pais de meus amigos partiram
Marcelo, Betina, Pedrosa
Curto o tempo que se despediram
Com meu pai, nem tive prosa

Grandes estrelas sacodem
O firmamento na decolagem
Estruturas terrenas explorem
No tempo da nossa passagem

Não há como impedir
De uma estrela ter retornado
Resta-nos apenas sorrir
Por Deus fazer o chamado

Por ter chamado Mandela
Deus não quis arriscar
Pra que ter tanta cautela
Se um exército podia formar
Escolheu a melhor clientela
Pra o moço acompanhar

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

PAVÊ DE ABACAXI - Receita da vovó


INGREDIENTES:

02 caixinhas de leite condensado
01 média de leite
03 gemas

02 pacotes de biscoito maisena
01 suco da casca de 02 abacaxis

02 (ou 03) abacaxis não muito maduros cortados em cubos
01 xícara de açúcar (se os abacaxis não estiverem muito maduros)

03 claras batidas em neve
02 caixinhas de creme de leite
02 colheres de açúcar

01 pacote de coco ralado úmido

MODO DE PREPARO:

Lave bem os abacaxis. Pode usar sabão neutro e uma escovinha de cozinha. Descasque-os e reserve as cascas.

Corte-os em fatias longitudinais, de modo a excluir completamente o miolo. Descarte os miolos (ou coma).

Recorte as fatias em cubos pequenos e leve-os ao fogo para cozer, juntando o açúcar. Mexa sempre e deixe o excesso de água secar, mantendo um pouco da calda. Caso os abacaxis estejam bem maduros o açúcar é dispensável, além de o doce ficar mais sadio ao final.

Faça um suco com as cascas no liquidificador e umedeça um pacote de biscoitos nela. Caso não queira usar as cascas, use a metade de um 3º abacaxi para fazer o suco e encharcar os biscoitos. Reserve.

Misture as duas latas de leite condensado, as 03 gemas e o leite numa panela, leve ao fogo e mexa constantemente até obter um ponto de mingau.

Bata as 03 claras até atingir ponto de neve. Acrescente as 02 colheres de açúcar e em seguida as 02 latas de creme de leite e mexa até obter um chantili.


MONTAGEM:

Forre uma travessa de vidro com o mingau. Faça uma cobertura com o pacote de biscoitos secos. Uma segunda cobertura com os biscoitos amolecidos no suco de abacaxi. Acrescente o abacaxi em cubos. Cubra com o chantili e em seguida o coco ralado.

Leve ao refrigerador por 06 horas, para que fique em ponto de corte.


OBSERVAÇÕES:
  • Serve 18/20 porções generosas
  • O açúcar pode ser substituído por adoçante sem maiores problemas, porque o leite condensado e o abacaxi já guardam grandes porções de doce
  • O coco ralado úmido dá mais sabor ao pavê
  • O biscoito maisena diluído no suco de abacaxi pode ser substituído por biscoito champanhe.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Crônicas da vida real: A ORIGEM DA FÉ


Estava uma senhora de pouco mais de 80 anos na calçada de sua residência, vassoura na mão, a conversar sobre Deus com uma pessoa mais jovem.

Bem próximo a elas, de dentro de um carro estacionado de vidros abertos (talvez por conta do calor , quiçá pela incredulidade), um senhor de 1/2 idade, ouvia atentamente a conversa.

Falava ela sobre as maravilhas de se ter Deus em nossas vidas, em nossos corações. Sobre as conquistas que alcançou pela fé e sob a proteção e os olhos de Deus. Sobre sentir Jesus diariamente ao seu lado e a constante presença do Pai Celestial em sua vida.

Falava também sobre as batalhas e conquistas dos filhos, sobre as bênçãos dos netos, sobre os genros e noras tão extraordinários. Como poderia ela, uma simples cabeleireira, mãe de 06 filhos, órfã de marido, ter conquistado tantas graças senão pela MÃO DE DEUS!?!?

De repente, foram interpeladas pelo ouvinte, ante a seguinte e incrédula indagação:

- Onde está esse seu Deus? Esse Deus que vocês tanto falam? Você já viu essa MÃO DE DEUS que vocês veneram!? Por acaso já sentiu o toque ou a textura da Mão de Deus?

Parcimoniosamente a Velha Senhora olhou-o nos olhos e respirou fundo. Buscava dentro de si uma diretriz: Responder, declinar o diálogo ou ignorar a interferência abrupta e incrédula.

Em seus tantos anos de vida já presenciara pessoas defendendo seu "Deus pessoal", sua religião preferencial, um Cristo que ainda não veio, as preferências ao Velho Testamento em detrimento do Novo, a negação de Maria e tantas outras coisas que lhe feriam os ouvidos, mas não lhe afetavam a cristandade, nem a fé, nem a inabalável crença em um DEUS ÚNICO, porém de todos.

Não se conteve; e suavemente retrucou:

"Meu querido:

Você vê o ar que você respira? Ou você apenas o sente e sobrevive porque tem certeza que o está respirando?

Você enxerga o vento? A brisa que lhe acaricia o rosto ou a tormenta que arranca árvores? Ou apenas sente a sua presença ou presencia a sua passagem?

Você pode tocar seus sonhos? Ou apenas acredita que pode torná-los algo concreto!?

Você vê os seus pensamentos? Ou apenas tem certeza que eles estão dentro de você, sejam eles bons ou maus presságios ou o fruto da sua consciência!?

Você já viu o amor!? Ou apenas acredita que o que você sente é real, palpável e justificável para mergulhar de cabeça!?

Você enxerga o cheiro das coisas? Ou você simplesmente sente e se agrada ou desagrada!?

Você pode ver o som, os ruídos, os barulhos, as vozes? Ou você apenas ouve o barulho da chuva, do vento nas árvores, dos pássaros e dos animais, e acredita e os admira!? Ou você é daqueles que prende pássaros pra ENXERGAR seu cântico diário!?!?

Você vê a dor? ou simplesmente a sente e a combate ardorosamente? A dor do corpo, a dor da alma, a dor dos sentimentos? Você as vê ou você convive com elas!?

Pois assim também é o Deus da minha vida. Eu não posso vê-lo, mas eu posso senti-lo e quase posso tocá-lo. Eu sinto diariamente a textura d'Ele. O perfume das flores sintetiza um cheiro de Deus!  As cores das aves traduzem uma coloração de Deus! As variações e os relevos das paisagens simulam um contorno de Deus! Os gostos das frutas me exprimem sabores de Deus. E todas essas maravilhas da natureza que nos cerca, que Eu posso tocar com graça e fé, me revelam a textura das mãos de Deus".


Diante de tantas constatações e indagações o jovem senhor se calou e se pôs a refletir. Nenhuma outra palavra precisou ser dita naquele momento.

E assim deve ser a presença de Deus em nossas vidas. É dessa força que vem a minha crença no Altíssimo. Dessa jovem senhora de mais de 8) anos que me ensinou as pequenas coisas sobre a fé. Essa pequena grande senhora: MINHA MÃE!

terça-feira, 26 de novembro de 2013

26 DE NOVEMBRO DE 2013 - 50 ANOS



Do alto de meus 1,725m de altura, "meia idade" vos contempla! Uma data memorável, mesmo porque é improvável que eu esteja aqui pra escrever-lhes sobre a "idade inteira".


Ajustei minha altura à realidade! Nunca tive 1,73m como sempre frisei. Mas esse 1/2 centímetro já não faz mais falta ao meu ego! Cresci mais de 1/2 metro por dentro depois dos 21 anos, o que me dá uma matriz de crescimento real de invejável. Talvez isso justifique as dores nas costas, nas pernas, na Bacia e no abdômen! Fiquei pequeno por fora!

É provável que isso também explique aquelas pessoas pequeninas que realizam tantas proezas. Como é possível que conteúdos tão extensos se acomodem em tão pouca embalagem? Acho que por isso os baixinhos são inquietos! Minha mãe é assim e tantos outros que admiro.

Mas eu fugi ao fulcro! Estava falando dos meus 50 anos. Como sou limitado: só enxergo dois tons de cinza (claro e escuro)! Será que isso também limita minha imaginação sexual? Ora, que se danem os 50 tons de cinza! Claro e Escuro já se adaptam bem ao que me satisfaria hoje! Nada de extravagâncias! As 77 posições incendiárias do Kama Sutra não alimentam minhas fantasias (não mais)!

Na árvore do meu cinquentenário colhi vários frutos:

- 50 desejos (em cada poema)
- 50 realizações (em cada verso)
- 50 flertes (numa única mentira)
- 50 orgasmos (numa única conquista)
- 50 sonhos (em cada fase da vida)
- 50 vidas (em cada fase dos sonhos)
- E o mais importante: - 50 amigos! Em cada dedo das mãos!

Apesar dos filhos estarem ainda crescendo e se descobrindo, não espero genros. Mas por certo que minhas noras serão meus diamantes, porque dentro delas brotará a semente da minha semente: Meus netos!

E apesar das conquistas, do tempo que voa, dos sonhos que nos freiam, desce céu que não ousa mudar suas estrelas de lugar, não ousei plantar grandes árvores. Apenas laranjeiras, jabuticabeiras, orquídeas e outros personagens que eu pudesse ver os frutos ou as flores. Deu certo: Já chupei laranja e jabuticaba cujas mudas pousaram em minhas mãos. E fotografei flores de orquídeas cujas raízes fixei. Os herdeiros de minha essência frutificam e os discípulos de meus conhecimentos se agigantam, apesar de só os primeiros retornarem sempre, e me beijarem com carinho.

No início deste novo ciclo de vida, vejo-me na humilde posição de reconhecer e agradecer:

- Meus parabéns pra você, que me entende nessa complexidade simplória que me apresento! Que ignora minha casca de cupuaçu porque conhece o sabor que me habita!  Que releva meus devaneios, porque entende que nada sou ou serei, além de um simples poeta. Que aceita meus galanteios como meu escudo, porque se eu fosse diferente, não expressaria beleza interior. Obrigado a você, que saboreia meu gosto de laranja madura admitindo meus restos de sumo e nódoa! E que apesar dos 50 anos de idade que agora carrego ao redor de mim, se senta comigo pra compartilhar os 20 anos de idade que nunca me abandonaram.

E, no mais: FELIZ ANIVERSÁRIO pra nossa amizade!

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

COTIDIANO


Final de semana vai chegando. Passamos a desejar que ele chegue repleto de graças e bênçãos, pra que a vida nos seja plena e a juventude eterna. Que recebamos carinho em forma de chuva e distribuamos alegria como raios de sol. Porque entre um carinho e um sorriso, entre uma gota de chuva e uma fresta de sol, podemos fazer brotar e vivificar tudo que parecia moribundo ao nosso redor.

A noite de sexta-feira agiganta o cansaço dos que pelejaram nas batalhas corporativas do lucro e nas batalhas individuais da sobrevivência. Os humanos se recolhem aos lares, festejando mais uma semana de vida, de conquistas ou de meras etapas cumpridas. Rolhas e tampinhas espocam aos borbotões, espalhando espumas, bolhas, odores e sabores pelos narizes e bocas sedentos de descanso.

E o sábado desperta com inquietude, movimentando os indivíduos e as hordas. A casa se enche dos ausentes, presentes no fim de semana. As lembranças dos que se foram povoam algumas cadeiras e poltronas vazias. Os sorrisos invadem as faces. As gargalhadas ricocheteiam na alvenaria e atravessam a massa devassável das janelas, inundando o vazio das ruas frias ou massificando a alegria contagiante que milhões de pessoas desprendem de seus íntimos no 7o dia.

O domingo começa com a notícia da floração da orquídea que plantei durante o inverno, num dos galhos do nosso Flamboyant. Ali no alto, isolada, apesar da pequenez de suas poucas flores, ela "faz sombra" e dá graça e encantamento à nossa suntuosa árvore, agora despida das flores da primavera, que vagarosamente vai recobrando sua folhagem, suas vestes.

O dia passa ligeiro, porque haverá despedidas. No futebol, alguns venceram, outros perderam ou empataram. Alegria para uns, tristeza e alarde para outros. O principal grito preso na garganta já foi ecoado, mas ainda estão presos alguns choros que não se quer chorar. A casa antes repleta de movimento vai se esvaziando. Um filho parte pra Minas Gerais; outro pro Rio de Janeiro; e o terceiro se esforça pra demonstrar que não sentirá suas faltas, até que se encontrem nova e brevemente.

Apesar do avanço do tempo, do acumulo de anos, de experiências e de conquistas, ver os filhos juntos pelos chãos, mesas ou sofás da vida ainda é a melhor visão para o meu coração, tamanha a harmonia, carinho e amor que fazem questão de compartilharem entre si e entre todos às suas voltas.

É vida que segue. Como um conjunto de flechas que tem o destino como ARCO e a família como ALJAVA. Nós, pais, apenas preparamos cuidadosamente cada um desses projéteis: sua retidão, sua afinação e seu equilíbrio. Como o conjunto madeira/lâmina/penas das flechas, constrói-se também o trinômio caráter/valores/personalidade dos filhos. E esperamos apenas que estejam sempre prontos para se lançarem vida afora.


E a segunda-feira brota sorrateira em nossas vidas. Mas ao invés de carregar consigo aquele ar sofrível de recomeço, parece trazer para nós aquela sensação gostosa de mais uma semana, de mais um conjunto de sonhos, de mais esperanças e de novos reencontros. Assim é o nosso cotidiano. Assim é a vida em sua normalidade.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

CRÔNICAS DA VIDA REAL: O DERRADEIRO E ETERNO AMOR (Na Verdadeira Pessoa, tão singular)



Houve um tempo que eu olhava pra vocês e dizia: - Meu Deus, que medo. Tão jovens e tão apaixonados e comprometidos. Será que terão tempo pra amadurecer? Ou será que amadurecerão com os erros? - Será que serão “unha e carne” como hoje se demonstram “pele e carne”?

Unha e carne se respeitam. No pequeno espaço que se predestinaram coexistir. Porém “pele e carne” pretendiam se completar por inteiro, por toda a extensão da matéria que dava sustentação ao Espírito.

Houve um tempo que eu tive medo que o amor de vocês se transformasse em “paixão”. E que os excessos levassem a empatia e a cumplicidade para o devaneio. Houve também um tempo que eu aprendi a ver vocês como “uma só carne”, tamanha a singularidade como se gostavam, se respeitavam e se apresentavam juntos. E descobri que esse respeito mútuo e essa maturidade era motivo de orgulho e não de preocupação pra mim.

Houve uma etapa que eu desejei que o tempo passasse mais rápido, pra ver vocês dois mais maduros, já encaminhados, e concretizando planos e sonhos da juventude. Houve um tempo que eu pedi que a vida fosse suavemente sábia e não lhes apresentasse o ciúme, a desconfiança e o medo da infidelidade.

Hoje o tempo me mostra vocês dois afastados, apesar de muito amigos. E, se a vida não tiver sido perversa demais, me resta apenas ter esperanças de vê-los juntos novamente. Mas se isso não for possível, que haja sabedoria e maturidade em seus corações para não sofrerem pelo outro e não fazerem o outro sofrer sua falta.

Na vida temos a oportunidade de conhecer várias pessoas e o tempo pode nos fazer apaixonar várias vezes. Nem o coração sabe escolher a "pessoa certa", pra vida toda.

O segredo da felicidade é se apaixonar várias vezes, pela mesma pessoa. E constantemente por si mesmo. Não é ser o primeiro amor; nem o último; mas sim o único. Mas se isso não for possível, que a sua felicidade plena seja conseguida quando você se tornar o derradeiro e eterno amor de alguém.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

DAQUI HÁ 10 ANOS (Diálogo sobre longas e curtas ausências)


O ano talvez seja 2023 e a data uma provável véspera de festas ou feriado. Inesperadamente (mas sempre esperando), me inquieto com o som da campainha numa noite de sexta-feira e, à porta, um de meus filhos chegando em visita:

- A benção pai!
- Deus te abençoe meu filho!
- Um tempinho que eu não vinha te ver Pai!
- Que nada filho, são coisas da vida! (um suspiro raso)
- Mas notei que dessa vez você não SOBRESSALTOU pai!? (risos jovens)
- Verdade filho, não sobressaltei! (alívio idoso)
- Se acostumou, né pai!?!? (Riso jovem amarelado)

- Talvez filho. Acho que aprendi a não sofrer. Troquei uma preocupação por uma curtição, reconhecendo que se a vida te equiparou a mim, era justo me resignar (suspiro de desabafo).

- Mas como papai? A vida jamais me equiparará a você, porque somos indivíduos autônomos e independentes. E não é justo que qualquer filho sobrepuje a história do próprio pai!

- Verdade filho. Mas eu me refiro a superar, valorizar, sobressair. Não me causam mais sobressaltos suas chegadas inesperadas e suas inquietantes ausências.

(Pai discursando e desabafando):

Foram tantas vezes que você saiu sem dizer que iria chegar. Tantas vezes que chegou sem avisar que tinha saído! Tantas vezes tentei lhe questionar sobre suas saídas e suas chegadas, que me perdi nos meus devaneios tolos de Pai. Mas você sempre chegou, ainda que inesperado para os outros e exacerbado para mim. Quantos torpedos, mensagens, emails e ligações investi nas "empresas X" dos teus aeroplanos terrestres!?

Um certo dia, quando me vi inevitavelmente à deriva da tua displicência e, ao mesmo tempo, timoneiro dos teus voos brilhantes, decidi não sofrer nas suas aterrissagens. Pois apesar de querer controlar tuas decolagens, eu lhe concebi com asas.

A despeito de tudo isso, no decorrer do tempo, você chegou ao meu ouvido e disse sorrateiro, em tom de euforia: - Eu me fiz você, e te tornarei igual ao teu pai!

Que momento grandioso você me promulgou com a notícia da sua paternidade! E que salto tríplice, com medalha, me concebeu saltar e premiar na olimpíada da vida! Ao me fazeres avô, percebi que todos os meus medos temeram em vão, e que você venceu as minhas quimeras e minhas angústias!

Eivado da mais pura substância curativa (O AMOR), me pus a debruçar teus filhos nas peripécias das minhas confianças e minhas preferências. E pude perceber que, estando ao lado dos melhores dos teus presentes, a vida não me permitiu mais cobrar o que eu achava ser indelicadeza, inconstância, alienação ou distração de filho.

Mas também me lembrei dos tantos amigos cujos filhos tiveram a vida interrompida por uma viagem, e que nunca se despediram. Nem deixaram netos!

Ao menos pude perceber que cada partida sua foi uma odisseia que meu coração tripulou inquieto, ao seu lado. E que cada chegada sua era uma página nova no capítulo da sua existência, escrita de próprio punho no livro de nossas vidas! Como me sobressaltar diante de uma descoberta tão grandiosa, meu filho!?

- Dá um abraço aqui, nesse seu velho pai!

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

CRÔNICAS DA VIDA REAL: Gentileza gera Gentileza


Os tempos atuais carregam pessoas amarguradas, angustiadas, impacientes, avarentas, vaidosas, invejosas. Pessoas que carregam em si o antônimo da GENTILEZA: estupidez, grosseria, incivilidade, brutalidade, selvajaria, rusticidade. Pessoas cujo comportamento influencia e altera o ciclo natural da paz e da harmonia social.

Essas pessoas (e seus comportamentos hediondos e reprováveis) me fazem refletir sobre os exemplos humanos que provaram existir a antítese da maldade e maledicência. Mas por hora me ocorre um exemplo bem brasileiro, essencialmente carioca, cuja obra e história tive a oportunidade de conhecer.

Há alguns anos, passou pela cidade do Rio de Janeiro um andarilho que o povo carinhosamente apelidou de PROFETA GENTILEZA. Esse cidadão anunciava a BOA NOVA, pregava a PAZ, o PERDÃO, o AMOR ENTRE AS PESSOAS.

Era um pequeno empresário do setor de transportes. Durante um dos maiores incêndios da história circense em todo o mundo, onde morreram mais de 500 pessoas (a maioria crianças), ele abandonou TUDO O QUE TINHA e seguiu para Niterói, onde plantou Uma Horta e Flores sobre as cinzas do circo, morando lá 04 anos para consolar os parentes das vítimas.

Os pilares do Viaduto do Caju (Do cemitério do Caju até a Rodoviária Novo Rio), num total de 56 pilastras, no Centro do Rio, são REPLETOS de suas frases de AMOR E CARINHO, pintadas à mão, com pincel. Sua principal frase:

"- GENTILEZA GERA GENTILEZA."

Um comportamento a ser seguido. Uma história a ser repassada de pai pra filho. Uma gentileza que o universo colocou tão próximo de nós, para que possamos multiplicar em exemplos. Afinal, ser gentil não é apenas uma virtude, mas um exercício de cidadania e fé nos homens.



segunda-feira, 14 de outubro de 2013

CRÔNICAS DA VIDA REAL: Aprendendo a Rezar.


“COM DEUS ME DEITO E COM DEUS ME LEVANTO.

NA GRAÇA DE JESUS E DO DIVINO ESPÍRITO SANTO”.

Com essas palavras, ajoelhado numa cama simples de família humilde, eu me despedia dos meus pais e agradecia, quase inconscientemente, pelo dia maravilhoso que recebera em bênçãos.

Embriagado de sono, olhar às vezes descrente, querendo dar a volta em mamãe e dormir ligeiro, muitas vezes recitei tal oração sem refletir sobre seu conteúdo. Nesses momentos, minha progenitora doutrinou, em tom de brincadeira, uma oração alternativa, com essas sábias palavras:

- Não deixe que a pressa nem o sono te atrapalhem a falar com Papai do Céu. Não perca a oportunidade de agradecer seu dia a Deus. Quando estiver com muito sono, reze essa oração rapidinha: “- Papai do Céu: Obrigado por tudo! Amém!"

Em sua sabedoria, mamãe me ensinou, desde o início, a diferença entre orar RAPIDINHO ou rezar uma oração RAPIDINHA. Não devemos “conversar com Deus” com pressa. Mas podemos fazer uma profunda e rápida oração. Com o tempo, eu aprendi a colocar a devida pontuação nessa linda, curta e exímia oração.

Experimente acender um palito de fósforo e orar o PAI NOSSO pausadamente, imaginando cada passagem ou frase. Duvido que o fósforo lhe queime os dedos e termine antes da oração. Mas Ela (a oração) terá incinerado suas angústias e incendiado seu coração.

Não importa quão complexo e extenso torna-se o nosso vocabulário ao longo de nossas vidas e quão sábias se tornam nossas expressões verbais e escritas. Importam sim, quão verdadeiras são as nossas intenções e os nossos agradecimentos e quão profundas e conscienciosas são nossas orações.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

CRÔNICAS DA VIDA REAL: O PRIMEIRO E ETERNO AMOR (Na Primeira Pessoa do Singular)



Houve um tempo que olhavam pra nós dois e diziam: - Meu Deus, que medo. Tão jovens e tão apaixonados e comprometidos. Será que terão tempo pra amadurecer? Ou será que amadurecerão com os erros? Será que serão “unha e carne” como hoje se demonstram “pele e carne”?


Unha e carne se respeitam no pequeno espaço que se predestinaram coexistir, ao passo que “pele e carne” pretendem se completar por inteiro, por toda a extensão da matéria que dá sustentação ao Espírito.

Houve um tempo que tiveram medo que o nosso amor se transformasse em “paixão”. E que os excessos levassem a empatia e a cumplicidade ao devaneio. Houve também um tempo que alguns aprenderam a nos ver como “uma só carne”, tamanha a singularidade que nos gostávamos, nos respeitávamos e nos apresentávamos juntos. E descobrimos que esse respeito mútuo e essa maturidade prematura eram motivos de orgulho e não de preocupação.

Houve uma época que eu mesmo desejei que o tempo passasse mais rápido, pra nos ver encaminhados na vida, concretizando planos e sonhos da juventude. Mas houve também vários momentos de dúvidas, nos quais eu pedi que a vida fosse suavemente compreensível e não nos apresentasse o ciúme, a desconfiança e o medo da infidelidade.

Houve momentos que não nos apresentamos juntos, apesar de sempre amigos. Apesar das embalagens se atraírem os conteúdos não se completavam, e a vida nos incutiu um divórcio espiritual. Diante da perversidade d’Ela, restou a esperança de estarmos juntos novamente. E eu desejei sabedoria e maturidade em nossos corações, para que as distâncias não representassem sofrimento e sim aprendizado.

A vida nos apresentará várias pessoas maravilhosas, singulares e encantadoras e nossa volubilidade sugerirá, na intimidade da carência de excessos, apaixonar-nos por várias delas. O coração, na sua busca incessante pela calmaria sentimental, buscará entre todas elas, a "pessoa certa" pra vida toda, ignorando a hipótese de já tê-la encontrado.

Talvez o segredo da felicidade seja, durante a vida, se apaixonar diariamente por si mesmo e constantemente pela mesma mulher.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

VOLTANDO ÀS NASCENTES



O rio que corre entre nós não terá sempre a mesma largura. Acima ele se estreita e se torna intimista e abaixo ele se alarga e a singeleza cede lugar à pujança.

Se algum dia nos depararmos no mesmo ponto, mas em margens opostas, eu te peço: não se afaste da borda, pra que não aumente a distância que nos separa. Talvez, olhando a partir de sua margem da vida, você possa anular essa distância. Nunca tome a orla como intransponível.

Eu te proponho então caminharmos juntos, rio acima. Porque em algum lugar, onde nascem suas águas claras que me fascinam, uma margem se juntará à outra.

O que são diferenças numéricas (distâncias) diante da intensidade dos sentimentos? O que é o tempo, senão meros espaços ininterruptos de sonhos? E porque ele não fica, ele apenas passa, leva consigo nossa juventude. E só aumenta a distância entre pessoas que não lutam para que ele se torne um veículo de aproximação e entendimento.

Tu és um barco que navega em meu oceano! Mas lembre-se: Eu me fiz mar apenas pra sustentar o teu casco e vê-la flutuar em minha face. Quanto tempo pretende navegar em mim, até que se liberte e possa me encontrar?

Se minha trajetória é ser MAR, estarei sempre pronto para o seu mergulho. Se for MARGEM o meu desígnio, estarei rio acima, te esperando nas nascentes.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

EMBARGOS INFRINGENTES


Quando a reapreciação de ação,
Impugnada pelas partes recorrentes,
Recebem dos tribunais decisão
Com votos entre si divergentes,
O direito processual do Brasil
Em seu Código de Processo Civil
Pela falta de unanimidade latente,
Assegura o Embargo Infringente.

--------------------------

Mas o que significa “INFRINGIR”?

Sinônimo de violar, contrariar, contravir,
Desobedecer, postergar, descumprir,
Desrespeitar, romper ou transgredir!


Deve-se por “INFRINGENTE” entender
Aquilo que se recusa a cumprir,
Decisão que não soube acolher,
Totalidade dos que podiam decidir.

E para EMBARGO: qual a definição?
igual a confisco, recurso, apreensão,
Arresto, embaraço, execução.
Estorvo, impedimento ou oposição.

O EMBARGO interrompe o caminho
Daquilo que seguia seu curso.
Pra que um ajuste ou desalinho
Confirme ou redesenhe o percurso.

...................

Minha voz está embargada!
Minha conduta nunca foi infringente!
Minha cidadania foi açoitada,
Por essa democracia indigente!

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

ROCK AND ROLL - Essa exagerada harmonia que encanta gerações.


No inglês “ROCK” é Pedra e “ROLL” é Cilindro. “TO ROCK” é balançar, embalar, chacoalhar, agitar e “TO ROLL” é girar, rolar, envolver, enrolar. E “ROCKING” é Balançando e “ROLLING” é Rolando. Daí já se pode imaginar o que surgiria da junção desses dois vocábulos, ou o que viria a significar a expressão por eles composta!?


Rocking and Rolling tem uma conotação histórica de “balancando e dançando”, ou simplesmente descreve os movimentos de quem faz amor, tal como um navio continuamente acariciado pelas ondas de um mar bravio.

Mas como as pedras não têm vida, se elas balançam algo de extraordinário está para acontecer. Quando as pedras balançam, o planeta terra anuncia alguma mudança em sua estrutura, em sua formação, em sua vida. Assim, ROCK N’ ROLL também descreveria um movimento de vida da Nave Mãe, através de seus tripulantes.

O Rock and Roll tem uma base extremamente eclética de estilos e sonoridades, como o Folk, Gospel, POP Music e Big Bands. Porém com influências sólida do Rhythm and Blues (RB), tais como Blues, Jazz e Boogie Woogie. “O Rock and Roll é um rio musical que tem absorvido muitos riachos” (Alan Freed). 

Antes do rock and roll, a música foi categorizada por: raça, nacionalidade, localização, estilo, instrumentação, técnicas vocais e mesmo religião. Mas essa inconfundível fusão de estilos e singularidade de instrumentos quebrou os grilhões que acorrentavam as melodias e descravizou milhões de inspirações loucas, que fizeram com que a música nunca mais fosse (ou pudesse ser) categorizada ou definida com requintes de homofobia.

Porque ROCK N’ ROLL é emoção injetável. É pura energia que percorre o corpo como adrenalina, sacudindo cada espaço vivo de nossa estrutura, fazendo balançar cada molécula. 

Mais que um mero conjunto de acordes, é uma avalanche de instrumentos que não se confundem e que não agridem.

Um sopro divino no coração da gente, que às vezes emociona e outras agita. Mas é da sua essência que nos faça querer ouvir novamente. ROCK N’ ROLL é VIDA!

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

"VIVER, MORRER E RENASCER" (o ciclo contínuo da vida eterna)


O "Senhor de Tudo" admirava com simplicidade a sua criação, quando se deu conta que precisava espalhar sua essência pelos lugares maravilhosos que havia criado.

Então, Deus retirou micro partículas de sua divindade, semeou estrelas no infinito e de propósito deixou cair sementes na terra!

À sua imagem e semelhança elas germinaram, floresceram, reproduziram e se transformaram em pessoas especiais: As pessoas que aprendemos a amar, admirar, respeitar e nos espelharmos.

A cada pessoa foram dados elementos essenciais:  Corpo, Alma e Arbítriopara reproduzir na própria vida um reflexo angélico e forjar uma existência de santidade. O corpo vira poeira, o arbítrio escreve a história e a alma aguarda, como flor polinizada, ser colhida novamente.

É por isso que, diariamente, continuamente, incansavelmente, ELE volta à terra pra recolher sementes e repovoar os seus jardins. E assim, as pessoas que amamos retornam ao Céu. Umas antes e outras depois de nós. Umas rapidamente, outras depois de uma século. Mas todas, a seu tempo, são absorvidas como "poeira de estrela", com brilho fugaz ou vivaz.

É nesse ciclo contínuo que a vida dribla a morte (...) E se faz ETERNA!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

FELICIDADE



A felicidade é um estado durável de plenitude, satisfação e equilíbrio físico e psíquico, em que o sofrimento e a inquietude estão ausentes. Abrange uma gama de emoções ou sentimentos que vai desde o contentamento até a alegria intensa ou júbilo. A felicidade tem, ainda, o significado de bem-estar espiritual ou paz interior (wikipédia).

A felicidade se aloja nos lugares mais simples, nos gestos mais suaves, nas reações mais improváveis e inexplicáveis.

Ela está no sorriso de um recém-nascido, na primeira bola, no carrinho de pipoca da porta da escola, na descoberta do beijo, no grito de gol, no reencontro de um amigo, no nascimento de um filho, no abraço de um pai.

Todos podem tê-la. E quem experimenta ser feliz, sente o mais prazeroso de todos os sabores.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

VINHOS, CARNES, QUEIJOS, PÃES (...) E outras maravilhas que produzimos


Eu desejo que Deus proporcione, aos meus amigos e a mim, experiência tão milagrosamente singela como conhecer a França e suas regiões produtores de Vinhos e Champanhes. E tantas outras regiões do mundo que produzem tantas outras coisas. Ele guarda por seus mistérios para o homem e tantas outras o homem descobre e desenvolve por ter sido feito à Sua imagem e semelhança.

Só de imaginar a topografia do Planeta dá arrepios na espinha, tamanha a diversidade de lugares MARAVILHOSOS que a Natureza dispôs pra contemplarmos, conservarmos e usufruirmos.

Às vezes também me pergunto pra que tantos morros e elevações se tudo poderia ser plano e no nível do mar? Uma explicação eu arrisco: Pra que tivéssemos o VINHO!!!........Se não é isso, então tente explicar:
  1. Pra que tamanha diversidade de frutas e grãos?? Imagine apenas a oliva, o milho e o trigo, de onde extraímos o azeite, os pães, e tantas outras guloseimas?
  2. Porque tantos animais que domesticamos, de onde extraímos leite e carne?
  3. Quer humildade mais singela que o Petróleo? Porque Deus o teria inventado há MILHÕES de anos, se só precisamos dele há 02 centenas?
  4. E a singularidade rara da pipoca, cujo envólucro desabrocha em explosão violenta frente o fogo?
Se o UNIVERSO "bolou" tudo isso, porque nós mesmos não teríamos capacidade de transformar ou substituir:
  1. Primeiro a uva em vinho, o trigo em pão e a oliva em azeite;
  2. O fogo por microondas;
  3. Nossas artes, alegrias e sorrisos em programas de TV; e
  4. Finalmente, o leite em infinitos sabores de queijos.
Mas se algum amigo já foi a FRANÇA, ao Chile, a Nova Zelândia, a Califórnia, a Africa do Sul, a Portugal, nada mais justo que peguemos nossos veículos, movidos pelo petróleo, e nos dirijamos a um lugar comum, onde possamos ouvir pessoalmente essas aventuras, degustando queijos, carnes e vinhos, com um belo pão mediterrâneo regado ao azeite. 

Enquanto nossas crianças e filhos se deliciam em pipocas, tabloides e programas de televisão!

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

EMBALAGENS E CONTEÚDOS


Queria te descobrir sem conhecer, sem provar, sem sentir o cheiro, sem me atrair pelo olhar nem pelas curvas. Pois a beleza é passageira, mas o conteúdo é eterno.

Que não fosse como uma caixa de bombons (seja qual for o rótulo), cujo conteúdo, ainda que variável e diversificado, já tenhamos degustado várias vezes. Mas como um único gole de café, cuja intensidade e sabor pode variar em cada garrafa e cada cafeteria.

Eis que já me vi só, num barco a deriva em nevoeiro pesado. Sem rumo, sem bússola, sem norte, sem ancoradouro. E eis que dissipada a cerração me deparo com uma ilha frondosa de sombras, farta de alimentos, de praias paradisíacas e águas calmas e cristalinas. Ali eu ancorei.

Não sei se as marés do destino me ancoraram em você, ou se suas terras férteis influenciaram as correntes do mar que insistia me acorrentar nas águas.

O que me atraiu foi a beleza. Mas o que me reteve foi o conteúdo. Tamanha a intensidade, que mesmo anos depois de explorar suas trilhas e seus mistérios, sempre te vejo como inquietante salvação.

Sua embalagem me fascina. Mas é no seu conteúdo que o destino me permitiu descobrir os melhores sabores da vida.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

MINHA FAMÍLIA, SUA FAMÍLIA - ESSAS ETERNAS OBRAS EM ANDAMENTO



É na certeza das tuas escolhas que eu repouso minha inquietação. É na retidão do caráter de vocês que eu fixo a minha mira. Porque filhos retos e dignos são reflexos de pais esforçados.

E ainda que me sobrem décadas, me falta competência para ser igual ou melhor que a carne da minha carne. Ainda que lhes falte idade, sobra em vocês o que de bom soubemos (Eu e sua Mãe) lhes incutir: VALORES E VIRTUDES.

Cada tijolo que moldei, cada tronco que carreguei, cada lágrima que recusei, cada gota de suar que lastimei, tinha um objetivo: construir as pontes que os levariam e levarão além das águas que me retiveram. Cada calo nascido, cada sapo engolido, cada livro lido, cada caderno preenchido, cada verso rimado, cada texto chorado, cada boa ideia, inspirou os discursos que lhes proferi, as ralhas que lhes ofendi, os elogios que lhes direcionei, na tentativa de esclarecer uma dúvida, direcionar um caminho, ou decifrar uma inquietação.

Todos, a seu tempo e à sua maneira, eram matéria-prima da minha estrada, cujo quilômetro final se distancia a cada ponte que um de vocês soergue à minha frente (e já não sei contar quantas são).

O certo é que nós, pais, abrimos a picada e mostramos as próximas montanhas. E não só o que pode haver além delas, mas as oportunidades a serem exploradas em cada vale. Quando o salto é qualitativo e certeiro não há dor e sim alegria. Porque é a escolha de um filho, a realização de um pai e um simples plano de Deus.

Não há dúvidas que os filhos nascem com asas. Elas demoram a abrir, a decolagem é desengonçada, mas o voo é tão lindo quanto inevitável. Resta aos pais preservarem o ninho até o último filhote, mas também reforçarem as docas do porto, para que cada retorno seja sempre agradável, seguro e tão especial quanto a primeira decolagem.

As experiências de vida entre pais e filhos são como construções, onde ambos se misturam no ofício de edificar uma obra sempre em andamento. Muito há que ser dito em vida (porque é aqui o local do diálogo) e nada para ser dito depois da partida (sem porquês).

Não como uma PUJANTE BABEL, ostentando mármore e ouro, cujo cume pretendia atingir as vastas pradarias além dos portões do céu. Mas como uma simples OLARIA, de onde se retira o barro e se aprende o ofício de forjar os alicerces de um paraíso chamado FAMÍLIA.



domingo, 11 de agosto de 2013

CRÔNICAS DA VIDA REAL - UM VISITANTE INESPERADO


Olá! Há quanto tempo!? Deixa que eu lhe puxe a cadeira. Sente-se. É uma honra receber o Senhor aqui hoje. Sim, eu sei que essas visitas são rápidas. Mas pode perguntar. Tentarei ser objetivo e categórico nas respostas.

Meu trabalho? Bom, já não estou naquela grande empresa. Dei meu grito de liberdade e arranquei minha carta de alforria a fórceps. Sim, foi muito bom pra mim. Hoje sou autônomo, com excelentes parcerias de trabalho. Uma boa remuneração mensal que dá pra tocar a vida.

Profissões? Não, meus filhos não seguiram meus passos. Puxaram os avós na inteligência e são craques em ciências exatas, raciocínios lógicos, holístico e outras coisas que exigem atualmente nas empresas.

Esportes? Sim, ainda jogo futebol. Pouco, mas ainda jogo. O corpo já não responde como antes, mas exercícios são fundamentais né? Gosto de uma caminhada à beira da praia e jogar basquete com meus filhos. Sempre que posso vou pescar. Nunca consegui me desvencilhar desse vício. O contato com a natureza, o cheiro de mato e de terra molhada, o desafio de pegar um “peixe grande”.

Meus hobbies? Adoro uma boa música: Clássicas, Rock, Blues,Jazz, MPB, Bossa Nova. Amo um bom livro, adoro um livro razoável e gosto de qualquer livro. Adoro escrever também, contar piada e envolver pessoas com boas histórias. Tive boas influências

Quer que lhe conte uma história? Afinal você já contou tantas! Verdade mesmo? Nem percebi que o tempo havia passado tão rápido. Que pena. Mas é assim mesmo, quando estamos com pessoas tão especiais o tempo passa rápido demais. Anos parecem dias, dias parecem horas e horas parecem minutos. Mas se é sua hora, temos que respeitar.

Quando sair, por favor, feche a porta bem devagar. Não faça nenhum barulho brusco ou estridente. Não, não é por causa das crianças. Elas já cresceram. Sou eu mesmo que não gostaria de acordar agora!

Estava sentindo muito sua falta esse tempo todo. Obrigado por ter vindo hoje “PAPAI”, mesmo que apenas visitando meus sonhos.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

RESSURREIÇÃO EM VIDA.


Houve um tempo em que viver perdeu o sentido. Porque, de fato, o melhor de mim parecia ter padecido. O que havia de bom esvaiu-se, como areia fina entre os dedos. Uma pequena parte não escorreu, plantada na palma da mão tremulada pelos fracassos.

Não conseguia esconder minhas agruras, minhas amarguras e minhas decepções. A maior parte desses males se materializava em conflito comigo mesmo, dentro de minha convalescente existência, ante o farrapo humano que aos poucos me tornava.

Eu me dizia: Amanhã virarei o jogo! Serei um novo homem! Mas por não me preparar para vencer, abria os flancos, e muitas vezes fui “goleado” pelos ingênuos contra-ataques das minhas fraquezas.

Remodelava muita estrutura, minha embalagem e meu discurso, mas o interior (corroído pelas deficiências que eu, relutante, escondia debaixo do tapete voador da minha prepotência) armazenava um eu que somente Eu não enxergava. Nessas tantas desventuras em série, temi assistir, de corpo presente, aterrorizado, o velório de meus sonhos.

Mas eis que o bem sempre triunfa sobre o mal. E se a bandeira da vitória não é erguida pela autoestima, dezenas de príncipes e princesas, amigos e amados, desembarcam em nossas OMAHAS e IWO JIMAS, montando cavalos blindados de confiança, empunhando baionetas de esperança e atirando beijos doces e palavras sábias que transformam por completo a geografia de nossas ruínas, como um “faz de conta que acontece”, virando o jogo.


Assim se dá a ressurreição em vida, onde o medo do malogro premeditado dá lugar à audácia do êxito indubitável. E homens de bem renascem para os exércitos do Amor.